Janela do Conhecimento
Menu
xPrincipal
Voltar a p?gina anterior

UMA ESPERANÇA HIPERBÁRICA PARA A CURA DE UM GRANDE NÚMERO DE DOENÇAS

    O ar que respiramos tem se tornado denso, pobre em oxigênio e extremamente poluído. A nossa sociedade vive um contexto de várias patologias inexplicáveis. A questão do oxigênio afeta nossas glândulas que deixam de segregar substâncias primordiais a vida, adoecendo corpo-mente-espírito.

 

    Sem oxigênio não há vida, e isso ninguém questiona. Mas o ar que respiramos também pode ser terapêutico. Está nas câmaras hiperbáricas – um equipamento totalmente fechado no qual é possível insuflar oxigênio puro e atingir uma pressão acima da pressão ambiente – a esperança de tratamento para uma série de doenças, entre elas o pé diabético.

 

    Estudos científicos já indicaram que até 85% das amputações no pé diabético foram precedidas por úlceras que poderiam ter sido tratadas com a oxigenoterapia hiperbárica.

 

OXIGENOTERAPIA HIPERBÁRICA

A oxigenoterapia hiperbárica é um tratamento que melhora o processo de cura do organismo de forma natural, fornecendo oxigênio sob pressão, aumentando o teor de oxigênio no sangue e no fluido cérebro-espinhal, inundando os tecidos com o oxigênio.

 

    Um dos efeitos desta exposição é transferir mais oxigênio para a corrente sanguínea do paciente que, por sua vez, é levado até o cérebro. Em estudos prévios descobriu-se que a oxigenoterapia hiperbárica induz neuroplasticidade, o que leva à reparação das funções cerebrais prejudicadas de forma crônica e à maior qualidade de vida para os pacientes que tiveram um acidente vascular cerebral ou uma leve lesão cerebral traumática, mesmo anos depois da ocorrência.

   O benefício atua desde a descalcificação das glândulas até a harmonia corpo-mente-espírito.

 

 MECANISMO DE AÇÃO 
    Segundo o médico hiperbarista Roberto Carlos de Oliveira e Silva, do Centro Mineiro de Medicina Hiperbárica, apenas 20% do ar que respiramos é oxigênio. Os outros 80% não são necessários para o funcionamento do corpo, sendo descartados. E esse oxigênio não é puro.

 

    Dentro da câmara hiperbárica com compressão, o oxigênio que penetra pelos pulmões por meio da respiração dilui-se no plasma e atinge tecidos com pouca irrigação e por consequência pobres em oxigênio.

    Com o auxílio desse oxigênio ofertado, as funções celulares e hormonais são reativadas, proporcionando um ambiente adequado para o combate a infecções e progressiva cicatrização das lesões. 

 

INDICAÇÕES

Embolia gasosa; doenças descompressivas; embolia traumática pelo ar; envenenamento por Co2; inalação de fumaça; envenenamento por Cianeto ou derivado; gangrena gasosa; síndrome de Pounier; todos os tipos de infecções necrotizantes dos tecidos moles; celulites; isquemias agudas traumáticas; lesão por esmagamento; reimplantação de extremidades amputadas; vasculite aguda de etiologia alérgica: por medicamentos, por toxina biológicas (aracnídios, ofídios e insetos);queimaduras termo elétrica; lesão respiratória; úlceras de pele; pés diabéticos; úlceras por vasculite auto imunes; lesão por radiação; osteomielites; anemia aguda; potencializa a ação de alguns antibióticos, tornando-os mais eficientes no combate às infecções;

 

A CÂMARA
    A câmara hiperbárica é um compartimento fechado, resistente à pressão, que pode ser pressurizado com ar comprimido ou oxigênio puro. Geralmente de formato cilíndrico, a câmara é construída de aço ou acrílico.

 

Paz e Luz!

Ester de Suzan

 

FONTES:

Medicina Hiperbárica - Nina Subbotina

baromed